Postagem em destaque

Bem Vindo!!!

Bem vindo ao meu espaço de divulgação da minha arte e também da minha vivência como ser humano criativo!!! Aqui vocês encontrarão não só u...

13 de jun de 2019

DABKE OU SAIDI???

Quem nunca misturou que atire o primeiro gliter kkkkkkk

Muitas vezes há uma confusão no nosso meio da dança quando o assunto é dabke ou saidi, principalmente quando nos referimos aos movimentos característicos destas danças e mais ainda quando estes folclores aparecem no meio das rotinas clássicas orientais. Isso acontece por vários motivos:

1) Tanto no dabke como no saidi são utilizados ritmos quaternários parecidos como por exemplo o próprio ritmo saidi na dança saidi e do katakuft no dabke, ambos tem 4 tempos e possuem duas notas graves entre o 2º e o 3º tempo, temos também a presença do maksoum, um ritmo também quaternário e bem comum de ambos os folclores;

2) Ambas as danças possuem movimentos "puladinhos" com uma certa marcação ritmica, entretanto é bom lembrar que o dabke tem uma intenção mais verticalizada enquanto o saidi é mais horizontal;

3) Outra coisa que propicia esta confusão é a instrumentação, os dois estilos utilizam bastante os instrumentos que possuem grande projeção sonora como o mijuis, mizmar e tabl;

4) Aqui no Brasil temos uma comunidade sírio/libanesa muito grande, uma das maiores do mundo, e os primeiros contatos com as danças orientais foram através das festas da comunidade onde o dabke sempre foi muito presente. Ou seja, esta linguagem corporal foi referência para muitas das primeiras bailarinas do Brasil, numa época que não havia internet e tanto acesso como há hoje em dia às informações, então era natural interpretar com uma linguagem mais “dabkenta” certos momentos de folclores nas rotinas clássicas.

 

Entretanto, apesar destes elementos em comum, há muitas diferenças claras entre estes folclores.
Uma delas é a intenção dos movimentos, no dabke como já disse a postura é mais verticalizada, o tronco é altivo, eu costumo dizer que é a postura de quem monta cavalo, já o saidi é mais gingado, mais horizontal, mais de quem monta camelo. O dabke é mais pontuado enquanto o saidi tem mais “es”, mais respiros.

DABKE - reparem na postura, nas linhas e nas vestimentas


Outra diferença marcante é o próprio formato musical, o dabke tem uma estrutura musical mais fixa, geralmente começa com uma “ateba” (contação de história com improviso vocal específico), e a melodia geralmente tem um canto solo seguido de um coro, na grande parte das vezes é música cantada e pode haver mudanças rítmicas alternadas. Já o saidi tem um formato melódico mais solto, mais improvisado, pode começar lento e ir acelerando gradualmente até alternar o ritmo para um falahie. Outra diferença é a utilização do ritmo saidi no estilo saidi enquanto no dabke se usa o katakuft.

TAHTIB - luta "dançada" que deu origem à dança saidi


O sotaque também é um grande diferencial. Quando as músicas são cantadas é possível observar que no saidi temos o sotaque egípcio, no dabke temos o sotaque próprio do Levante. Muitas vezes nas letras das músicas cantadas de saidi irá aparecer a palavra saidi ou alguma referência às cidades e regiões saidis do Egito, já as letras das músicas de dabke geralmente abordarão assuntos de trabalhos em grupo e de questões do cotidiano.

Grupo Musical Saidi - trajes egípcios

 Existem também os ritmos que são específicos de cada estilo, como já mencionado o próprio saidi e o katakuft, como também o sudasi no caso do dabke e o falahie no saidi.

Não podemos também deixar de falar nas vestimentas que são completamente diferentes e que retratarão os usos e costumes de cada região.


No vídeo a seguir, eu faço uma brincadeira com o ritmo maksoum demonstrando um pouco destas diferenças. Espero que ajude a clarear um pouco as ideias, mas lembrem-se, para absorver estas diferenças e identificar os estilos, é necessário bastante estudo!!

Abraços Dançantes
Cris Antoniadis



17 de mai de 2019

DABKE - Origens e Características

Para estar sempre recebendo meus materiais, conteúdos e informações exclusivas do nosso universo dançante, não deixe de se inscrever na minha lista!!

 



O dabke é uma dança folclórica muito popular na região do Levante no Oriente Médio.
"De uma forma geral, a região se resume à Síria, à Jordânia, a Israel, à Palestina, ao Líbano e a Chipre. Outras fontes definem o Levante de uma maneira mais ampla, incluindo porções da Turquia, do Iraque, da Arábia Saudita e do Egito." (Wikipédia)

obs: a região do Egito acima referida é a porção asiática denominada Sinai.

região em verde escuro é o que se denomina Levante mediterrâneo - fonte Wikipédia
A origem do dabke é muito remota e até os dias atuais encontramos diversas danças muito similares em regiões próximas ao levante e que não são de língua árabe como a Turquia, Armênia, Grécia, Bulgária e Chipre.

Essa similaridade provavelmente se justifica pela influência dos povos chamados "pondios" (povos helênicos de provável origem fenícia que se fixaram e colonizaram toda região que fica em torno do Mar Negro e parte do Mar Cáspio no século VII ac.). Estes povos, de essência guerreira e famosos pelas suas habilidades com os metais, sofreram com diversas invasões e muitos foram obrigados a deixar seus lares e se dissiparam pelo oriente ao longo de mais de um milênio levando consigo suas tradições e se incorporando a outros povos e regiões assim como absorvendo as tradições dos locais para onde migraram. Infelizmente há muito pouca literatura a respeito destes povos e ainda não consegui achar mais informações de como estes povos se miscigenaram com outros em suas diásporas e como foram as trocas culturais que ocorreram desde então mas seria um pensamento muito limitante achar que estes fatos ocorreram de forma linear, isolada e sem diferenças regionais.


Pondios - pintura antiga
O que temos de fato são os descendentes dos Pondios, que na atualidade em sua maioria habitam a região de Tessaloniki/Macedônia - GR e que mantiveram suas raízes culturais, danças e tradições até os dias atuais e encontramos uma dança muito antiga em seus costumes que é extremamente similar ao dabke tanto na linguagem corporal, como na musicalidade e inclusive nos trajes. Como a origem étnica dos pondios ainda é uma lacuna e uma das teorias é que sejam de origem dos ditos “povos do mar” pelos antigos, e estes “povos do mar” muito provavelmente seriam os fenícios, que são os povos que deram origem ao Líbano, fica realmente muito difícil determinar de onde ou de quem realmente vem essa linguagem corporal, o que podemos realmente determinar é que ela existe, é muito antiga e está presente em uma extensa região.



Já a dança dabke propriamente dita é encontrada e praticada na atualidade em toda a região do levante e hoje é considerada a dança nacional do Líbano, Síria e Palestina principalmente. A teoria mais aceita é a de que é uma dança que veio do agrupamento dos homens das aldeias libanesas para preencher com barro as rachaduras dos telhados das casas ocasionadas pela grande seca que acontece no verão e assim evitar a infiltração de água no período de chuvas. Para amenizar o árduo trabalho cantavam e dançavam (com uma linguagem corporal já estabelecida em seus corpos anteriormente) ao ritmo das músicas enquanto batiam os pés para fixar o barro nas rachaduras. A própria palavra dabke significa bater o pé no chão, sapatear.

Um detalhe que não podemos esquecer quando se trata dos folclores do Oriente Médio é a grande influência das tribos beduínas de cada região, e com o dabke não é diferente, é uma dança e estilo musical que carrega consigo características próprias das danças beduínas como o uso da “zarghouta” (lilili) e de alguns trejeitos como as palmas com os dedos abertos.


Caracala - Grupo Folclórico Libanês
O dabke é originariamente masculino, grupal, com formação de semi círculo na qual a roda gira em sentido anti horário, é praticado de mãos entrelaçadas ou apoiadas nos ombros, e a ponta que “puxa” a roda é o líder ou dançarino mais habilidoso podendo ser ou não revezada por outros dançarinos que também possuam pleno domínio da dança. Em muitas aldeias quem lidera a ponta da roda é o ancião da comunidade e a ele cabe ao longo da dança ceder o lugar para os seus sucessores.

Nos dias atuais o dabke é dançado também por mulheres e cada vez mais tem se tornado uma dança de identidade cultural dos libaneses e palestinos sendo frequentemente praticada em atos políticos e patrióticos.


Dabke de Baalbeck - selo libanês
Neste artigo o meu foco foi descrever um pouco das possíveis origens desta dança tão popular e contagiante, mas muitos detalhes ainda podem ser abordados quando o assunto é dabke: a diferença do dabke tradicional para o dabke de palco, como levar para o palco sem descaracterizar, como são as músicas, quais os principais intérpretes e compositores deste estilo, como são os trajes, quais as diferenças regionais, quais os ritmos e tipos de passos... enfim, o assunto é bem extenso e requer um carinho especial, portanto prefiro deixar estes tópicos para abordar com detalhes numa próxima oportunidade.

Cabe dizer que todas as informações que coloquei aqui fazem parte de uma pesquisa pessoal de mais de 20 anos resultante de vivência em grupos folclóricos helênicos e de dabke (JOB), cursos e workshops com a mestra em cultura árabe pela USP, Márcia Dib, minha convivência pessoal de mais de 15 anos no seio de uma família tradicional libanesa a qual meu marido, músico árabe Sami Bordokan pertence, assim como aulas de música, ritmos e muitas conversas sobre o assunto com ele. Conversas, aulas e consultoria com o renomado ator, diretor cultural e coreógrafo libanês Mounir Maasri com o qual tive a honra de conhecer e trabalhar na minissérie “2 Irmãos” de Luis Fernando de Carvalho/Rede Globo, e muita dedicação e bunda na cadeira lendo, assistindo vídeos, documentários e fuçando cada detalhe, portanto, pode confiar que as informações são quentes kkkkk.

Eu e Mounir Maasri - cena do casamento na minissérie "2 irmãos"
baseada na obra de Milton Hatoun

Para saber mais sobre o dabke não deixe de assistir este vídeo no meu canal do YouTube. Aproveite para se INSCREVER, por lá eu posto bastante vídeo legal e assim você não perde nenhum detalhe!!
Até mais!!!




13 de mai de 2019

A RAKSA NO UNIVERSO DA DANÇA DO VENTRE


Provavelmente você já ouviu falar ou assistiu alguma apresentação cujos bailarinos denominaram de “raksa”.

Mas afinal, o que é a raksa?

Como eu defino que uma dança é ou não raksa? Quais os movimentos, trajes, como é a linguagem corporal e onde é praticada?

A palavra “raksa” significa dança. Mas qual dança?

A DANÇA (simples e ponto final)

Aquela que é feita de forma espontânea, que faz parte das tradições e costumes, que é executada nas festas e celebrações e que é transmitida de pais para filhos.
 
eu dançando com o meu pai num reveillon
A raksa é a dança “solta”, a dança que não é feita em roda, que não tem passos pré coreografados, que é livre e que cada pessoa dança do seu jeitinho e com aquela linguagem corporal inerente aos povos orientais da qual a dança do ventre cênica se originou.

Ela é passada de geração em geração, através da observação e tradição oral. É muito comum de ver em casamentos e datas comemorativas e é dançada com as músicas pops (da moda), músicas populares, folclóricas e também nas partes dançantes das músicas mais clássicas.

Esta dança solta, livre e espontânea tem como base a movimentação de quadril, de ombros e tronco e um gestual das mãos muito delicados que carregam em sua linguagem o dia a dia das pessoas: o tônus dos braços que abrem a massa para fazer o pão pita, as mãos de quem tempera o carneiro, o ventre que carrega a vida e tem orgulho de ser a matriarca.... É uma dança que é executada por todos, inclusive pelos homens que muitas vezes acompanham a dança feminina com a finalidade de exaltar sua beleza e valorizar os movimentos da mulher.

Um exemplo muito comum acontece nos casamentos sírios e libaneses nos quais uma roda de dabke se forma e os noivos dançam a raksa no centro da roda.

A raksa não necessariamente precisa ser dançada de casal, é muito comum nas festas achar grupinhos de mulheres ou mistos que dançam juntos ou até mesmo pessoas que dançam sozinhas numa entrega completa ao momento e à música.


É executada em todo o Oriente Médio e também em países próximos levando as vezes outro nome. Na Grécia e Turquia por exemplo é chamada de tsifteteli/chifteteli, e o baladi no Egito nada mais é do que uma raksa que tomou uma forma própria e específica daquele povo.

Estudar a raksa é imprescindível para quem quer ter uma dança realmente oriental e entender as origens da dança do ventre, o contexto do qual ela faz parte e como ela se dá in natura no seu seio cultural. É literalmente beber da fonte, e quando fazemos isso nos apropriamos de um conhecimento que nos permite criar nossa arte de forma autêntica ao mesmo tempo que fidedigna às suas raízes.

Para saber mais, assista o meu vídeo sobre este tema no meu canal do YouTube

E não esqueça: INSCREVA-SE, CURTA E COMPARTILHE!!! Vamos difundir informação de qualidade para que a nossa arte possa elevar-se cada vez mais!!


Quer ficar por dentro de todas as minhas novidades, conteúdos, eventos e informações? Não deixe de se inscrever na minha lista!!!
 

6 de mai de 2019

Cursos Online de Dança - FAZER OU NÃO FAZER

CURSOS ONLINE DE DANÇA FUNCIONAM???

Estamos vivendo num mundo de constantes transformações tecnológicas e muitas formas novas de ensino vão surgindo em decorrência disso e uma delas é o EAD. Mas será que isto funciona??

Como quase tudo na vida, a resposta é: depende!! E neste texto voltarei a minha atenção para o ensino da dança, pois cada área tem suas particularidades.

Com base na minha experiência percebo que muitos fatores irão influenciar na eficácia dos cursos online, mas existem algumas questões principais e que não podem ser ignoradas de forma alguma:

*Não existe milagre, não tem como aprender dança com poucas aulas online, por mais ninja que a pessoa seja, não tem como absorver tudo o que envolve uma plena consciência corporal, musicalidade, cultura, movimentos, desenvoltura entre muitas outras coisas num curso rápido de dança do ventre seja ele online ou não. Isso é propaganda enganosa, cuidado!!!

*Quem é o profissional que está ministrando o curso?? A pessoa tem propriedade naquilo que está se propondo a ensinar? Tem bagagem, tem experiência, é um profissional de qualidade??? Assim como nas aulas presenciais, fazer um curso com alguém com pouca qualificação é jogar tempo e dinheiro fora, além de poder te trazer consequências irreversíveis, como lesões corporais ou aprendizados completamente equivocados.

*Outro fator muito importante para a eficácia de um curso online é a disciplina do aluno, não adianta só ficar assistindo ou pior ainda, só adquirir e deixar guardado, se o aluno não fazer os exercícios e não repetir até que aquilo se incorpore não tem também muito proveito do curso, é igual aquele aluno que se matricula na aula mas não comparece, não vai sair do lugar.

*Quando ministrados por profissionais competentes os cursos onlines são um excelente material de apoio (assim como eram os DVDs e vídeos cassetes), entretanto nenhum EAD, por melhor que ele seja, substitui a aula presencial!!! Na aula presencial temos o contato humano, o olhar da professora diretamente para a aluna, a energia do momento, a orientação personalizada, a socialização, a troca, e por mais que a tecnologia se supere a cada dia, ainda não inventaram nada que substitua UM ABRAÇO!!!

Não deixe de assistir o meu vídeo sobre este assunto no meu canal do YouTube, deixe seu comentário lá também!!!
Abraços dançantes a todos!! (mas eu quero depois um abraço pessoalmente, kkkkk)








Para estar sempre informado dos meus eventos, conteúdos e dicas, assine minha newsletter!!

 

23 de abr de 2019

Os Movimentos da Dança do Ventre

Uma das coisas que diferencia um estilo de dança do outro é o repertório de movimentos executados na dança em questão. Quando falamos de dança do ventre temos um repertório específico que abrange movimentos isolados do quadril, tronco, braços, cabeça. Muitas vezes estes mesmos movimentos se combinam harmonicamente entre si podendo também ser associados a deslocamentos, transferências de peso, mudanças de planos, passos e giros. Tudo isso resulta numa ampla gama de possibilidades o que é encantador e nos permite criar uma infinidade de variações.

Entretanto, a dança do ventre é um produto originário de danças femininas étnicas provenientes basicamente do mundo árabe e regiões próximas, ou seja, é uma dança que tem todo um contexto cultural no qual se encontra inserida e que os movimentos realizados precisam estar de acordo com este contexto. É de suma importância também o estudo dos ritmos e da música oriental, que é uma música cujo formato e características são diferentes da música ocidental.
Na cultura oriental música e dança são intrinsecamente ligados, sendo assim, para cada estilo musical e conjunto de ritmos teremos movimentos que são adequados para uma correta leitura musical, por isso não basta estudar apenas os movimentos e saber executá-los impecavelmente, é preciso estudar toda a questão cultural e musical que envolve o universo desta arte.

Mas o foco deste texto é uma conversa sobre os movimentos de base da dança do ventre e que, infelizmente, cada vez mais têm sido deixado de lado para dar lugar a movimentos importados de outras linguagens de dança. Então gostaria de colocar aqui neste artigo como eu elenco, classifico e organizo os movimentos que são típicos da dança oriental solo improvisada feminina. Ou seja, os movimentos de base desta dança tão linda e que nos traz tantos benefícios por proporcionar uma harmonização dos nossos centros energéticos, movimentos que massageiam e irrigam nossos órgãos internos, que modelam o nosso corpo e que nos inundam do prazer de ser mulher! Vamos resgatar estes movimentos que são a energia do feminino na nossa dança pois ela é quem nutre de maneira plena esta arte tão valiosa.

Para fins didáticos eu separo os movimentos da dança do ventre em 4 grandes grupos:
1) Os cadenciados (quadril e tronco)
2) Os sinuosos (quadril, tronco, braços e cabeça)
3) Os precisos (quadril, tronco, braços e cabeça)
4) Os vibratórios (quadril e tronco)

OS CADENCIADOS
Os movimentos cadenciados são aqueles que acontecem necessariamente na pulsação rítmica, ou seja, não é possível executá-los sem base rítmica ou com uma base rítmica que não permita sua realização. A grande maioria destes movimentos acontecem nos ritmos quaternários (que possuem 4 tempos) e alguns em ritmos binários (2 tempos).
São movimentos que possuem uma ginga própria e geralmente podem ser acompanhados com palmas ou estalar de dedos.
Exemplos: básico egípcio, básico grego, twist...

OS SINUOSOS
Os movimentos sinuosos são aqueles que possuem formatos arredondados, formam curvas e desenhos como o símbolo do infinito (lemniscata), círculos, elipses, caracóis e esses (S).
Podem ser realizados seguindo o pulso rítmico ou não. São muito utilizados quando seguimos instrumentos de som contínuo como as flautas nay, o violino ou a voz humana.
Podemos inclusive mesclar os sinuosos com os cadenciados ou executar os sinuosos com cadencia marcando o pulso rítmico.
Exemplos: oitos e redondos, camelos, ondulações de braço, ondulações de ventre...

OS PRECISOS
Os movimentos precisos são aqueles que utilizamos para fazer marcações específicas quando solicitadas pela música, ou seja, quando houver uma marcação forte musical, faremos também esta marcação com o corpo.
Estas marcações podem ser realizadas com o quadril, ombro, peito, braço, cabeça, desde que seja na mesma intensidade da marcação da música. Para a realização destes movimentos geralmente recorremos às contrações musculares da parte do corpo requerida para realizar de forma precisa.
Exemplos: batida unilateral de quadril , batida pélvica, marcação com um dos ombros...

OS VIBRATÓRIOS
Mais conhecidos como shimies ou tremidos, são movimentos que requerem treino e consciência corporal. Podem ser efetuados com o tronco ou com o quadril, sendo que neste último temos um mundo de tipos de tremidos que poderão ser utilizados conforme leitura musical.
Os movimentos vibratórios são utilizados geralmente quando há um intensa aceleração musical, ou quando o instrumento musical faz um som trinado. Usados com muita frequência para leitura da percussão, principalmente nos solos percussivos ou para leitura de instrumentos de cordas como o alaúde e o qanoum, mas isto não é uma regra.
Exemplos: tremido de quadril, tremido pélvico, tremido de peito...

Como já disse antes, esta divisão é apenas para fins de organização didática, entretanto, conforme vamos aprendendo estes movimentos de forma isolada, treinando e incorporando, vamos também desenvolvendo a transição entre eles, a mescla e a desenvoltura, associando uns aos outros, juntamente com transferências de peso, deslocamento, giros, mudança de planos e transformando este vocabulário numa linguagem própria que desabrochará na sua dança.

Para reforçar este trabalho de resgate dos movimentos de base da dança oriental, estou disponibilizando um curso online totalmente gratuito no meu canal do YouTube.
Nas vídeo aulas eu explico cada movimento e pequenas sequências para ilustração e fixação destes. É um material de apoio para quem estuda dança do ventre poder treinar em casa e aperfeiçoar sua dança. Clique no link a seguir e acesse!!

DANÇA DO VENTRE ESSENCIAL DE A a Z - CURSO ONLINE GRATUITO

Não deixe de se inscrever e ativar o sininho para não perder nenhuma aula e muitas dicas e conteúdos dançantes!!!

Para não perder nenhum conteúdo, dicas e novidades, não deixe de se inscrever na minha lista especial de envio de emails!!





Espero você por lá também!!!
Com muito carinho

Cris Antoniadis

5 de abr de 2019

Conheça e saiba como interpretar um Bouzouki/ Buzuk

Olá,

Você que é praticante de dança do ventre ou amante da cultura oriental já ouviu falar no buzuk ou bouzouki???

este é o bouzouki helênico, existem muitos outros tipos de bouzoukis ou buzus


O bouzouki/buzuk é um instrumento musical de cordas, da família do alaúde (podemos inclusive dizer que seria um filho ou neto do alaúde), e é muito popular em algumas regiões onde a música oriental é executada, principalmente na Grécia/ Turquia/ Líbano e Síria.

Em grego é conhecido como bouzouki e em árabe como buzuk. Neste artigo optarei em usar o termo bouzouki pois para mim é mais orgânico e íntimo me referir desta forma a este instrumento que sempre foi tão presente em minha existência.

O bouzouki é um instrumento oriental e está muito presente na música oriental (quando eu digo música oriental estou me referindo à música que tem características específicas e que a diferenciam muito da música ocidental em estrutura, escalas "maqans", forma de ouvir, tocar, sentir, ritmos, e que é praticada numa extensão cultural e territorial que vai além do mundo considerado árabe, abrangendo os balcãs, o norte da África, a região do Levante, Ásia Menor "Anatólia" e parte da Ásia Central).

Entretanto, apesar do referido acima, o bouzouki é um instrumento que não possuiu uma ampla possibilidade de maqans (escalas) assim como o alaúde possui. O bouzouki possui trastes em seu braço (tal como o violão) e isto limita o número de notas musicais quando comparado com o alaúde que tem o seu braço livre, mas ainda assim é um instrumento que possibilita os 1/4 de tom que é tão característico da música oriental e que os instrumentos ocidentais (como o violão por exemplo) não conseguem reproduzir.

Eu sou apaixonada pelo bouzouki, ele tem uma sonoridade mais "estridente" que o alaúde, no meu modo de sentir eu vejo o alaúde como um instrumento mais aveludado, mais grave e que me remete à energia do masculino, já o bouzouki para o meu modo de sentir (assim como o qanoum - falaremos dele numa outra oportunidade), me remete à uma energia mais feminina, mais doce ao mesmo tempo que é forte e vigorosa. Para mim, o alaúde seria a voz masculina enquanto o bouzouki a feminina!

O som trinado do bouzouki permite que a bailarina possa explorar diversos tipos de tremidos, aliados ou não aos movimentos sinuosos que podem também se dar de forma lisa fazendo toda a leitura poética do instrumento. É um instrumento que permite uma dança muito rica em movimentos, técnica e sentimentos.

Na atualidade, o bouzouki é considerado o instrumento mais típico da música helênica, é muito utilizado tanto nos clássicos como na música popular e moderna. É muito utilizado no estilo rembetiko (um estilo musical mais boêmio da músico helênica e que é extremamente popular entre os gregos e heleno descendentes no mundo), e muito presente no TSIFTETELIS, estilo helênico da dança oriental solta de improviso. Nas festas gregas é um instrumento que não pode faltar e que é contagiante e sentimental, proporcionando a todos uma sensação de êxtase em suas TAKSIMIS (taksim), o que podemos chamar no mundo árabe de TARAB.

Ainda falando de TSIFTETELIS, no início do século XX foi desenvolvido e popularizado um estilo muito peculiar de solo de bouzouki para o tsifteteli (chifteteli) e que se tornou praticamente um hino do tsifteteli grego, um estilo onde o músico improvisa com o bouzouki demosntrando muita habilidade, vigor, sentimento e o que chamamos de "KEFI", (uma pegada, um sentir único de estar na energia daquele momento)

Abaixo o link de um SOLO DE BOUZOUKI que efetuei para o desfecho do meu DVD "A DANÇA NA MÚSICA E CULTURA ORIENTAL", lançado em parceria com a Shimmie Kaleidoscópio e onde eu explico as características fundamentais da música e cultura oriental aplicadas na nossa dança.
Para mais informações sobre o DVD, CLIQUE AQUI!!!

O solo é do maravilhoso músico Nicos Pourpourakis (in memória), que ainda em vida me cedeu com muito amor os direitos autorais para que eu pudesse produzir este trabalho e que era um apaixonado pela dança do ventre.

Aqui no Brasil, na comunidade helênica, temos um grande "bouzouklis" , o Kostakis, e que está sempre presente nas festas e eventos da comunidade. Para quem tiver interesse em aprender a tocar o instrumento, pode entrar em contato com o Iaonnis Kyriopoulos, professor na Coletividade Helênica de São Paulo.

Espero que tenham gostado deste conteúdo e não deixem de me acompanhar nas redes sociais:

CURTA MINHA PÁGINA DO FACEBOOK

INSCREVA-SE NO MEU CANAL DO YOUTUBE

Para não perder nenhum conteúdo e informações preciosas sobre esta rica cultura, INSCREVA-SE na minha lista!

 





TAKSIMI BOUZOUKI - NICOS POURPOURAKIS - INTERPRETAÇÃO CRISTINA ANTONIADIS



ESTILO GREGO DE SOLO DE BOUZOUKI - TSIFTETELI



O BUZUK "ÁRABE"





1 de abr de 2019

DANÇA DO VENTRE ESSENCIAL - Curso Online GRATUITO

Olá galerinha!!

A partir de hoje estarei postando em meu canal do YouTube uma série de VÍDEOS AULA TOTALMENTE GRATUITAS sobre os movimentos de base da nossa dança para que vocês possam ter um material complementar de estudos e também para quem nunca fez aulas possa ter um primeiro contato e se encantar com essa linda arte que é a DANÇA DO VENTRE!!

Então não deixe de acompanhar!! INSCREVA-SE!!!
Segue o link da PLAYLIST onde você encontrará todos os vídeos da série:

DANÇA DO VENTRE ESSENCIAL - de A a Z



VAMOS APRENDER DANÇA DO VENTRE??? ESSENCIAL DANÇA DO VENTRE DE A a Z - Aulas de dança do ventre com Cristina Antoniadis.

Uma série especial de vídeos criados pela professora Cristina Antoniadis cuja finalidade é proporcionar um contato com os principais movimentos essenciais da dança do ventre para quem não conhece e também um material de complemento de estudos para quem já pratica esta arte possibilitando que você possa treinar em casa, estudar bastante e melhorar a qualidade dos seus movimentos de dança do ventre.

IMPORTANTE: estas aulas não substituem uma aula de dança do ventre presencial, onde o professor poderá te orientar e corrigir pessoalmente. É importante também lembrar que o aprendizado da dança do ventre não se resume apenas em aprender os movimentos, mas é de muita importância aprender a inserir estes movimentos numa correta leitura musical, cultural e intencional. A dança do ventre é uma dança étnica e estudar seus aspectos peculiares é essencial para o aprendizado correto desta dança.

Quer saber mais sobre as origens e histórico da dança do ventre?? BAIXE AQUI GRATUITAMENTE O MEU EBOOK

INSCREVA-SE, CURTA, COMPARTILHE!!!! E BONS ESTUDOS!!!

Para receber no seu email conteúdo exclusivo, dicas, novidades e informações preciosas sobre meus eventos e sobre a dança oriental, não deixe de se cadastrar na minha lista!